Apontamentos – Moirões de Mairi

Dedico esse trabalho ao meu amado Fernando Siso e a minha professora orientadora Viga Gordilho. Gratidão!

Se o caminho é longo, experimento abrir outros olhos para desvelar o que ficou estancado na memória. Atenção dobrada ao que se apresenta na altura dos olhos. Libertar a percepção para além das telas e das cercas: Flor de maracujá de boi: Pular a janela do tempo passando a vida a limpo no delírio da arte. Berrante: Salve o caboclo boiadeiro a uma quadra da esperança! Placenta translúcida de onde nascem os sonhos.

As onze fotografias que apresento aqui é uma edição especial de um ensaio ainda inédito realizado no dia em que ouvi o caboclo assoviar pela primeira vez. Foi numa quinta-feira santa, na cidade de Mairi, no sertão baiano, ao cumprir uma promessa a passos lentos e atento no caminho de terra que leva a Capela da Santa Cruz do Monte Alegre. Cheguei ao final da tarde, a tempo de assoviar a ave-Maria de Schubert junto aos urubus no precipício.

1 – Armadilhas. Arapucas. Casa de Zé Poleiro. Tristes Jandaias perdidas com asas quebradas a pontapés, na ponta dos pés. Todas seguindo a mesma direção. Vivenciar uma obra dessa natureza é como sorver uma faixa elétrica prismal do lugar onde os poetas aprendem a fazer poesia. O que resta dela, transborda nas demais inclinações que buscam decodificar os sinais sagrados.

2 – Perceber a presença de outros universos que chegam rompendo mato, varrendo céu, arrastando terra… prever o dia em que todos possam estalar os dedos para se espalharem na estrada expressa do ar. Recolher a fragrância das batalhas do artista e também algumas palavras dedicadas ao futuro, transcritas, psicografadas, remixadas, moribundas…

3 – A mensagem é DESACELERAR, mas também desacomodar-se no interior de cada bólide ao final da explosão. O que de fato importa agora? Qualquer palavra que se dirija ao invisível: Interferências. Algumas canções e bandeirinhas do Brasil refletidas na rachadura de uma bola de cristal. Arranca toco. Ventania.

4 – Acolher uma doce reflexão ambivalente não significa aceitar o conformismo das coisas no instante em que se desenham no horizonte. VIBRAÇÃO / SENTIDO / ALINHAMENTO. APONTAMENTOS : o plano intocável das maravilhas. O lirismo quase íntimo mapeado por pesquisadores de ouro e própolis.

5 – PENSAMENTO/ SENTIMENTO/ CUIDADO. Salve o Rei da vela! Salve Pery! Salve o Caboclo Pena Branca! Porque agora é assim: o que antes parecia sonho era um vidro de analgésico quebrado no chão. A morte ainda carece de explicação. Hélio está de volta e acentuou a palavra com um gesto energético de liberdade e responsabilidade. Vide o cacete no cinema escondendo a urgência de penetrar fundo nos segredos alertando as massas.

6 – Ambiente e destino: levantar-se agora e cortar os laços conservadores e as lembranças de ofensas e acusações. O caminho é EVOLUÇÃO. Olhar apenas para a realidade positiva impossibilita acender os lugares ainda obscuros. As linhas se rompem ao seu tempo preparando a chegada do foguete.

7 – Aprendizado: o sol faz o jambo corar e suas flores pintarem o chão de uma cor de rosa que não existe. A aparição do galo rosa que traz a cura para desamores do passado. O tempo limpa sua paleta de cores. Como defender o Brasil com 500 dólares por mês retirados do fundo do poço enlameado?

8 – Apontamentos: muitos outros, ainda. Outra coisa além de impressões pessoais. Algo bem maior ao longo do caminho. PACIÊNCIA. Agradecimentos mais do que espaciais a primeira aparição de Carmen Miranda invadindo minha porta balançando o oco do mundo Novo.

9 – Um caminho consciente sobre os atos e pensamentos. Um pedaço de terra fértil. Apocalipse emergencial temporário: meteorizar dedicatórias aos meus amores que sacaram as primeiras palavras do lado A deste novo entendimento. Ver emergir o suprassumo do surpreendente com as mãos sujas de pólen.

10 – TRADUZIR: participações. Encontro com o arco de Aracê: GUERRA! Poesia faca amolada entre um copo de cognac e o vácuo. Chorume da arte. Fóssil exposto do primeiro poeta que se levanta para garantir possíveis banhos de lua a beira da praia do karma de cada um.

11 – Ele está de volta trazendo verdadeiras epopeias no coração, cheirando gasolina e borboletas. Deposita sua confiança e intimidade aos especialistas em glorificar a linguagem obscura da América Latina. As metamorfoses se incorporam a paisagem, das nuvens do altíssimo a ponta dos dedos daqueles que fazem das tripas corações de pedra para seguir em frente.

Série Apontamentos – Moirões de Mairi, 2020
32x32cm tiragem 4+ PA
Impressão pigmentos Minerais sobre Papel Algodão Matt – Hahnemühle Photo Rag 308 g. (linha Fineart) em molduras e madeira totalizando 35x35cm

Série Apontamentos – Moirões de Mairi, 2020. 32x32cm tiragem 4+ PA
Impressão pigmentos Minerais sobre Papel Algodão Matt – Hahnemühle Photo Rag 308 g. (linha Fineart) em moldura de madeira totalizando 35x35cm.

Envio para todo o Brasil numa caixa exclusiva. Parcelamento em até 18x pelo pague seguro.

Exposição Apontamentos – Moirões de Mairi. Julho de 2020

Ateliê Scovino |Av. São João, 1113 | apto 11 | Centro | São Paulo | SP @arthurscovino

Publicidade